Turismo em Minas Gerais | Um roteiro de fim de semana bem pertinho de BH

Foto por: Ruínas Casa de Fundição, Moeda - @cachos_na_estrada
Atualizado em: 28/09/2021

Um roteiro de fim de semana bem pertinho de BH

 

Praticante de mototurismo ou não, você vai adorar conhecer esse roteiro de bate e volta saindo de BH até Belo Vale e Moeda.

 

 

Não é preciso de afastar muito da capital pra fazer um bom passeio de final de semana. Vamos te apresentar um roteiro que une boa gastronomia, lindas estradas, muita história e cultura.  Se você, assim como nós, curte mototurismo ou está planejando iniciar suas aventuras sobre duas rodas, essa rota é uma excelente opção. 

 

Foto: Este roteiro é ideal pros adeptos ao mototurismo. A junção da natureza e a arquitetura das construções encantam que gosta de uma bela paisagem. Em frente ao Museu do Escravo.

 

Partindo de  Belo Horizonte, você vai rodar apenas 80 km (trajeto de ida) para conhecer os encantos e pontos turísticos de Moeda e Belo Vale. Garantimos que o passeio é ideal para curtir lindas paisagens e desfrutar a maravilhosa gastronomia mineira.  

Afivele o capacete, pois os cachos estão indo pra estrada….

 

Um pouco da história de Moeda Velha

 

Nosso primeiro destino é Moeda Velha, que é um vilarejo do município de Moeda/MG. Um típico cenário mineiro com igreja, casinhas simples, circundada por uma linda serra e com um maravilhoso conjunto arquitetônico tombado como patrimônio cultural (Iepha-MG). 

Essa paisagem traz a memória das cidades históricas de Minas Gerais, com a mineração dos séculos 18 e 19.

Os primeiros habitantes da região foram os povos indígenas. Ao final do século 17 chegaram expedições de exploradores, a maioria de São Paulo, que vinham desbravando Minas em busca de metais preciosos. Num primeiro momento, foi dessa atividade que a coroa portuguesa tirou seus lucros. 

Certamente você se lembra de ter aprendido na escola sobre o chamado “quinto”.

É aquela cobrança de 20% do metal explorado a título de imposto. Pois bem, em 1719, quando essa prática de cobrança do quinto já era comum por aqui, a coroa determinou a instalação de Casas de Fundição, que era o local onde o ouro era derretido, transformado em barras e recebia o selo real.

Somente depois desse processo o ouro poderia circular no mercado de maneira legal. Claro que ninguém ficou satisfeito com essa medida, já que a Coroa não reinvestia nada dos impostos para benefício da região. Assim, a sonegação se tornou uma prática constante.

 

Vídeo: Cachos na Estrada conhecendo Moeda Velha e Belo Vale.

 

Entendendo a origem do nome a partir da história

 

Para fugir dessa cobrança de impostos, dois contrabandistas criaram uma casa de fundição de moedas clandestina, por volta de 1720, que ficou conhecida como “Fábrica de Moedas falsas”. Nesse local, o ouro era derretido, transformado em barra e cunhado com selos reais - furtados das casas oficiais. 

A Casade Fundição contava com um grande aparato bélico, outras pessoas não podiam ter livre acesso. Mas o curioso é que essa regra era quebrada aos domingos, quando os vizinhos eram convidados para assistirem uma missa no local. 

Anos mais tarde, os dois sócios donos da casa de fundição tiveram um desentendimento e um deles delatou todo o esquema ao ouvidor de Sabará. Em 1731, a casa foi destruída a mando do ouvidor, restando apenas as ruínas. A Serra do Paraopeba passou a ser designada de Serra da Moeda em razão desse episódio.

 

Dicas do que conhecer neste roteiro

 

Paisagem do caminho 

 

                                                            Foto: Voo de parapente na Serra da Moeda

 

Para curtir ainda mais o clima bucólico de Minas, resolvemos seguir de moto direto até Brumadinho para então iniciar nossa rota, atravessando os distritos de Piedade do Paraopeba, Suzana, Palhano, até chegar à Moeda Velha. 

Para isso, na BR-040 entramos no acesso para Piedade de Paraopeba, logo ao lado da Lagoa dos Ingleses. 

Esse ponto do roteiro é ideal para desfrutar das subidas e descidas da Serra da Moeda, tendo no topo da sua cordilheira uma estrutura com restaurante e escolas de parapente, de onde partem voos duplos. É um show à parte apreciar a decolagem desses aventureiros. Quem sabe você não se anima a saltar também…

Mais adiante, quase chegando em Moeda Velha um pequeno trecho do trajeto é feito em estrada de terra, mas em boas condições e com linda paisagem.

 

Ruínas da Casa de Fundição

 

Foto: As belas ruínas da Casa de Fundição em Moeda Velha.

 

Chegando a Moeda, bem próximo às ruínas da Casa de Fundição, tem espaço para estacionar. No local  existe uma lanchonete e um restaurante. 

Nós almoçamos por ali e nos esbaldamos com uma típica gastronomia mineira: costelinha de porco de lata com mandioca. Estava maravilhoso. Experimentamos também uma cerveja artesanal local e recomendamos. 

Após o almoço, seguimos mais 27 km até o município de Belo Vale .

 

Belo Vale 

 

Foram os bandeirantes paulistas que fundaram Belo Vale, um dos arraiais mais antigos de Minas Gerais.

Com belas cachoeiras e excelente culinária, Belo Vale conta com um importante patrimônio histórico, como a Fazenda Boa Esperança, construída por pessoas escravizadas entre 1760 e 1780. 

Estava em nossos planos passar por lá, mas infelizmente as visitas estavam suspensas em virtude da pandemia. Partimos então para o Museu do Escravo

 

 

Museu do Escravo

 

Foto: Museu do Escravo em Belo Vale.

 

O Museu do Escravo foi criado inicialmente na cidade de Congonhas (1977), por iniciativa do Padre José Luciano Jacques Penido, natural de Belo Vale. Mais tarde  este acervo foi transferido para a Fazenda Boa Esperança em Belo Vale. Somente em 1988 foi inaugurado onde se encontra hoje um prédio em estilo colonial, projetado por Ivan Pavle Bojanic.

É o único museu do Brasil exclusivo a retratar a época da escravidão, o mais completo do gênero na América Latina. Com um acervo que reúne mais de 3.500 peças, retrata a crueldade a que as pessoas negras e indígenas escravizadas foram submetidas no Brasil durante o  período da escravatura. 

 As visitas são guiadas por monitores e paga-se uma taxa de R$5,00 pela visitação.  

 

 

Matriz de São Gonçalo

 

Foto: Igreja Matriz de São Gonçalo, Belo Vale. 

 

Bem em frente ao Museu do Escravo, em Belo Vale, fica a Matriz de São Gonçalo.

Edificada em meados do século 18, a matriz é tombada como patrimônio cultural pela prefeitura de Belo Vale-MG por seu valor histórico e artístico.  

Com altares no estilo barroco, foi consagrada a São Gonçalo do Amarante, mas passou a ser conhecida como São Gonçalo da Ponte. Isso por causa de uma ponte de madeira construída bem à frente da Igreja. 

Recentemente restaurada, essa arquitetura histórica aconchegante e rica em detalhes vai completar seu dia de passeio. 

Depois de tomar um cafezinho no centro da cidade, retornamos para Belo Horizonte, passando novamente pela sinuosa Serra da Moeda. Desfrute das curvas e paisagens, em especial os companheiros de duas rodas, o visual é realmente incrível. 

Saia novamente na BR-040 e tome rumo da capital mineira, gastando nesse trecho cerca de 1h 40 min.

Aproveite bem o dia – Belo Vale e Moeda estão logo ali!

 

Gostou do que leu? Conta pra gente nos comentários se você já conhece ou planeja conhecer Belo Vale Moeda e segue o pessoal do @cachos_na_estrada. Eles tem um canal no YouTube todo dedicado a apresentar suas experiências durante suas viagens por Minas.


Confira também: Viagem de moto pelas estradas de Minas.

 

 

Sobre o Autor

Cachos na Estrada

Kele e Ricardo formam o Cachos na Estrada. Casal cacheado e aventureiro, apaixonado por mototurismo, história e gastronomia. Nosso lema é curtir o caminho.

Comentários